Ninguém procura um consultor quando o mundo está se comportando racionalmente.
Gerald Weinberg



Há projetos nos quais três tipos de  competências são insuficientes para produzir as mudanças necessárias. São elas: a competência gerencial, o conhecimento técnico e as habilidades consultivas. Quando isso acontece, só a liderança resolve.

A frase de Gerald Weinberg que abriu essa página é exagerada mas tem uma grande dose de verdade. O correto seria dizer que "muitos motivos levam os clientes a buscar consultores; mas somente quando o mundo não está se comportando racionalmente, os clientes dependem de consultores que saibam agir como líderes de verdade". Não é coisa pouca.

A liderança na consultoria se torna obrigatória quando a amplitude, a profundidade, a imprevisibilidade e/ou a velocidade do desafio não podem ser controladas através das outras três competências.

O que esta oficina oferece?


Image

RELEVÂNCIA

Oficina desenhada para atender o desafio de liderança pelo qual você está passando.

Image

OBJETIVIDADE

A aprendizagem nasce do superação do seu desafio de liderança, no seu projeto específico.

Image

RESULTADO

Você desenvolverá um plano de ação para o seu desafio e poderá aplicar imediatamente no seu projeto.


Modelo Meta-Leadership

Image

Este diagrama, que representa o modelo de Meta-Leadership desenvolvido pela Kennedy School, da Universidade de Harvard, nos ajuda a entender as peças do jogo e as interações entre elas, em situações nas quais a hierarquia é fraca ou inexistente.

O nosso contexto será sempre turbulento: as transformações tecnológicas, os executivos pressionados para produzir resultados cada vez maiores em prazos mais curtos, e pessoas inseguras com a instabilidade de seus empregos diante de mais uma mudança em nada facilitam a racionalidade das decisões.

Os desafios continuarão tendo uma dimensão técnica, porém exigirão que você encontre formas de atuação apropriadas para quando as partes envolvidas tentam se reposicionar, agindo e retroagindo umas sobre as outras.

O cliente (o executivo responsável pela sua contratação) enfrentará períodos de insegurança, sabendo que depende de você e de sua equipe, mas ao mesmo tempo esperando sinais contínuos de que fez a escolha certa. E, como diz Peter Drucker, haverá situações nas quais o cliente será o problema maior.

Você, gerente de consultoria, terá sua autoridade e competência colocada à prova. E, longe dos olhares do cliente e da equipe, é compreensível que se questione se está à altura do desafio quando os controles e metodologias tradicionais se mostrarem insuficientes.

A sua equipe estará pisando em território desconhecido, exposta às diferenças e divergências de opinião dentro a empresa-cliente, e submetendo cada movimento seu a uma avaliação de lógica e coerência. Haverá instantes de dúvida e desânimo, e haverá instantes de contestação nos quais a sua autoridade hierárquica terá pouca valia.

As redes de apoiadores e de resistência ganharão uma dinâmica nervosa, e a maneira como você interagir com elas produzirá ondas de choque incapazes de serem previstas e planejadas.

Saiba quando e como assumir a liderança e como exercê-la

As habilidades técnicas, consultivas e gerenciais caminham para se tornar commodities – esperadas e exigidas de todos os consultores –, e o seu grande diferencial estará em saber muito bem quando e como assumir a liderança, e como exercê-la.

Infelizmente, nós consultores não somos preparados para atuar em situações assim. Alguns treinamentos de liderança até são interessantes, porém passam ao largo das questões centrais:

  • como perceber quando é preciso assumir o papel de liderança?
  • como agir para conduzir os projetos em situações assim?
  • como incorporar essa habilidade às suas competências profissionais?

Para responder a estas perguntas a Escola da Consultoria desenvolveu a oficina Como Exercer a Liderança em Tempo de Projeto.

Comece agora mesmo!